quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Há dias que não se aguenta...



ONTEM:
Primeiro custou-me imenso a levantar de manhã, a cama estava tão quentinha e tão apetecível, ainda chamei pela grua mas ela não veio!
Depois é sempre a abrir: tomar banho, lavar e hidratar o cabelo e o corpo, pentear, secar, vestir, maquilhagem, estender as toalhas molhadas, fazer a cama, tratar dos gatos e tomar o pequeno-almoço a correr...
Tirar o carro da garagem e os meus portões são automático-manuais, portanto abro-os-portões-tiro-o-carro-saio-do-carro-fecho-os-portões e abram alas que lá vou eu. Trânsito por causa de obras na estrada - fuck - fumo um cigarro para descontrair, oiço a rádio Comercial que parto o côco a rir com eles e prego a fundo lá chego ao trabalho, estaciono na garagem (agora sim, esta é de cancela automática!!!), subo no elevador e penteio-me mais uma vez.
Digo o meu bom dia sorridente aos presentes, ligo o pc e começo o dia. Os restantes colegas chegam entretanto e até aqui tudo normal!

Entretanto começo a ouvir berros. O patrão está naqueles dias em que dispara para todos os lados, e "são todos uns incompetentes", muitas vezes eu mantenho-me invisível, hoje não, sou chamada ao gabinete.
Sobrou para mim, logo eu que sou uma gaja súper organizada, apenas porque arquivei uns papéis de 2010 do meu departamento ao invés de digitalizar, ele passou-se. Contradiz-se, é rude, mal-educado, malcriado, bruto, estúpido, bronco, convencido, camelóide, e eu nem lhe respondo, olho-o nos olhos e não lhe digo nada (ele não gosta desta atitude - ups temos pena), espero que ele termine e saio dali.
Fico fodida comigo própria porque mais uma vez não lhe disse que não é assim que se fala com as pessoas, fico a remoer esta merda, porque ele não tem o direito de espingardar com todos por-dar-cá-aquela-palha. Não lhe falo. Não me vê sequer os dentes.
Passadas umas horas vem com falinhas mansas, e fala sobre outro assunto, dou-lhe uma resposta seca mas educada. Continuo fodida. À tarde o espectáculo continua. Berros ao telefone. Berros para aqui e para ali. Mais tarde lá vem ele, faz-me uma pergunta naquela de me mandar outra ferroada (calhei na rifa foi?), mas, levou com uma resposta assertiva a basou logo. Continuo mais fodida. Queria tanto poder dizer-lhe calmamente e com bons modos, e dar-lhe uma lição de moral, pois é a conversar que as coisas se resolvem e não aos berros, mas calma era coisa que não abundava no meu interior...

À noite perdi a minha chave de casa...fuck...tenho não encontro em lado nenhum, já vasculhei o carro todo, a mala, casaco e nada, nada, nada. Fodasssssseeeeeeeeeeeeeeeeeee
Hoje, com muita calma, aproveitei que o boss até está mais calmo e lá fui eu humildemente falar com ele. Ele explicou-se, eu expliquei-me e acabou tudo bem, na medida do possível, e em paz.

Mas, há dias que me apetece mandar isto tudo às favas e mandar o patrão ir cagar à mata.



 

10 comentários:

  1. Ui, o teu patrão é ruim. Eu também gostava de às vezes conseguir dizer certas coisas, mas ainda não tenho essa capacidade :/

    ResponderEliminar
  2. Acho que todos temos por vezes dias assim e mais agora que todos andamos descontentes com alguma coisa...os prepotentes depois descarregam em quem está à mão...!!! Recorrente mas lamentável!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  3. Bela peça que deve ser o teu patrão... Ninguém merece!

    ResponderEliminar
  4. Ui!!! Também tu? Olha, eu continuo sem lhe mostrar os dentes... Respondo, sim senhor e saio a mandá-lo à merd& mentalmente. E só não lhe faço uma vénia quando estou a sair do escritório, porque ainda não foi o dia.....

    ResponderEliminar
  5. Terá faltado a última frase no texto: "... e limpar-se com urtigas."?
    ;-)

    A prepotência e má educação é arma dos fracos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uiiiii tão bom, já me estou a rir só de imaginar!

      Eliminar